Por Gustavo Lima de Azevedo
A Universidade Metodista de São Paulo recebeu o jornalista investigativo da rádio Bandeirantes Agostinho Teixeira para uma palestra sobre a profissão no auditório Iota do campus Rudge Ramos.

Durante o bate-papo, Agostinho explicou o dia a dia de quem trabalha em editorias policiais, falou sobre suas experiências e os desafios que enfrenta diariamente. “É uma área de risco. Temos de trabalhar nos omitindo, já que diariamente lidamos com criminosos”.

Para o repórter, o jornalismo investigativo é interessante por ter um preparo maior, já que as matérias podem demorar semanas para serem completadas, e por ter grande apelo junto à população. “Todo mundo para em frete à TV para ver imagens de câmera escondida”, declarou.

O repórter ainda deixou claro que todo fato novo deve ser checado, pois informações erradas podem atrapalhar o andamento do trabalho policial e, até, prejudicar pessoas inocentes. Ainda comentando sobre o trabalho, Agostinho disse que o sigilo sobre sua imagem é essencial para que a apuração seja eficiente. “A empresa pensou duas vezes antes de eu vir para cá. Quanto menos o repórter investigativo aparece, melhor para seu trabalho”, afirmou.

Ao fim do bate-papo, alunos e professores puderam perguntar ao jornalista sobre a profissão.