E hoje nosso presidente já discute [ clique aqui ] se uma nova estatal será criada para administrar o petróleo da camada pré-sal [ entenda o que ela é aqui ].

Eu já ouvi muita discussão sobre o assunto. Meu professor de “História Contemporânea”,que é fanático por economia, é a favor de uma nova estatal. Segundo ele, uma nova estatal, que se equipare à Petrobrás mas que seja 100% brasileira, é muito bem-vinda. Já o deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC), que escreveu um artigo, publicado hoje ( 20/08/08 ) na folha, é contra. Bornhausen afirma que uma nova estatal seria como dar “calote” em quem investiu na Petrobras usando seu Fundo de Garantia do Tempo de Serviço ( FGTS ), já que parte das pesquisas no pré-sal foram pagas com tais investimentos.

Carlos Lessa, economista e ex-presidente do BNDES, aponta para o ângulo defendido por meu professor. Em seu artigo publicado no jornal “Valor Econômico” ( 17/03/08 ) [ Link para o site do jornal “Brasil de Fato” que publicou novamente o artigo], Lessa escreve que a nova estatal serviria para ajudar na “reestatização” da Petrobrás e, segundo ele, como o petróleo sobe de preço tendencialmente, manter novos campos de petróleo estratégicos é uma maneira inteligente de se administrar as reservas brasileiras.

Agora basta assistir aos próximos capítulos e ver aonde tudo isso vai terminar.